No mês passado, fez um ano que me tornei vegetariano real oficial. Digo real oficial porque eu já tinha parado de comer carne antes, mas me declarei para as pessoas como vegetariano só em dezembro de 2015. Antes de tudo, precisamos entender o que significa ser vegetariano. O vegetarianismo consiste numa alimentação isenta de qualquer tipo de carne e se classifica da seguinte forma:

  1. Ovolactovegetarianismo: utiliza ovos, leite e laticínios na sua alimentação.
  2. Lactovegetarianismo: utiliza leite e laticínios na sua alimentação.
  3. Ovovegetarianismo: utiliza ovos na sua alimentação.
  4. Vegetarianismo estrito: não utiliza nenhum produto de origem animal na sua alimentação.

Então, na verdade, eu sou ovolactovegetariano porque, por enquanto, ainda consumo ovos e derivados de leite animal. Não como carne vermelha, nem frango, NEM PEIXE. Depois de um ano, percebi que ser vegetariano pode ser mais fácil do que parece. E o fato de que eu amo cozinhar ajuda muito! Embora comer fora de casa seja mais complicado, acredito que, com o aumento do número de pessoas preocupadas com esse estilo de vida, mais empresas têm dado atenção aos vegetarianos. E acredite, as pessoas gostam de colocar carne em tudo, principalmente o bacon.

Mas escrevi esse post para explicar os motivos de eu ter adotado este hábito e, quem sabe, informar, inspirar e ajudar outras pessoas a respeito da alimentação e o impacto que ela causa em nós e no planeta. Quando me perguntam o por quê de eu ter me tornado vegetariano, costumo separar em 3 grandes motivos, são eles:

1. Pelos Animais

Quando eu era adolescente, comecei a me questionar por que eu tinha cachorro em casa e amava ele e por que a vaca era o que me alimentava. Por que a gente tem o cachorro e o gato como animais de estimação? Quem escolheu que animal seria doméstico e qual seria nosso alimento? Sempre que perguntava pro meu pai, ele me dizia “Filho, Deus fez o boi para alimentar o homem e o cavalo para carga. Por isso a carne do boi é macia e a do cavalo é dura”. (???) Eu não tinha argumentos contra isso. Não existia refeição sem carne na casa dos meus pais (e não existe até hoje, a não ser que eu esteja lá). Só depois que passei a morar sozinho e eu mesmo tinha que cozinhar minha própria comida, foi que comecei a pensar mais no assunto. Foi então que esse serzinho entrou na minha vida:

E o Antônio também ganhou presente.

Uma foto publicada por Oda Moura (@odamoura) em

Como uma coisa dessa pode ser tão fofa???? Por que eu acho isso tão lindo e o outro eu to colocando na frigideira? Passei a pesquisar sobre a indústria da carne e entendi que esses mesmos animais que usamos para nos alimentar são seres sencientes, capazes de sofrer e sentir prazer e felicidade. A gente sabe quando o cachorro está feliz ou triste, mas nunca parou para pensar se o porquinho que morre para virar nosso bacon está contente com a nossa decisão. É mais fácil não pensar na diferença entre fazer carinho no seu cão com uma mão e comer bacon com a outra.

“Existe um sistema de crenças ou ideologias invisível que nos induz a comer determinados animais.” (Melanie Joy)

Esse tipo de alimentação viola os próprios valores humanos de compaixão, justiça e autenticidade. 1,2 bilhões de animais de produção são abatidos no mundo toda semana. Destes, 10 mil animais terrestres são mortos só no Brasil para produzir carne, leite e ovos. Decidi que não quero mais contribuir para a causa de todo esse sofrimento, sendo que a nossa alimentação e saúde não dependem disso.

2. Pela Saúde

Cientistas descobriram em suas pesquisas que o consumo de carne contribui para o desenvolvimento de doenças crônicas e degenerativas como diabetes, obesidade, hipertensão e alguns tipos de câncer. O que determina se uma dieta é adequada ou não não é a quantidade de carne que a pessoa ingere, mas sim se sua alimentação está equilibrada. Além disso, há o fato de que a indústria precisa que o animal chegue à idade adulta mais rápido. Assim, ele estará logo nas prateleiras, o ser humano consome e logo produz mais. Para isso, o bicho é exposto à hormônios que aceleram o seu crescimento e acabam com a nossa saúde (e a deles).

3. Pelo Meio Ambiente

“Segundo a ONU, o setor pecuário é o maior responsável pela erosão de solos e contaminação de mananciais aquíferos do mundo. A ONU também estimou que cerca de 14,5% das emissões de gases do efeito estufa oriundas de atividades humanas têm origem no setor pecuário.” (Sociedade Vegetariana Brasileira).

Grande parte do desmatamento da Amazônia foi causado para a produção de gado. Além do espaço físico destinado à pecuária, também é necessário mais espaço para a plantação cultivada para a produção do que vai alimentar esses animais. Há também um monstruoso consumo de água. Para produzir 1kg de carne são usados entre 10 mil e 20 mil litros de água. Além desses 3 grandes motivos que me fizeram repensar sobre o que eu como, a produção de alimento através da pecuária contribui com o desperdício. A indústria usa uma enorme quantidade de proteína vegetal para criar pouca proteína animal num mundo onde há pessoas morrendo de fome. E em muitos locais ainda há o uso de mão-de-obra escrava.

Como dito no começo do texto, ter uma alimentação vegetariana é simples. E faz a gente mudar a forma de pensar em muitos outros aspectos da vida. Hoje, eu não quero somente ter uma alimentação sem carne, quero ingerir o que o meu corpo precisa. Aprendi muito sobre alimentação saudável e o que eu consumo. Mudei a forma como eu vejo a natureza e tenho pesquisado alternativas para evitar o desperdício. Acredito que o equilíbrio entre o corpo e a mente, nós e a natureza, começa com o que fornece a nossa energia pra viver.

Se você tem interesse em se tornar vegetariano e não sabe como começar, experimente o movimento “Segunda sem Carne”, que consiste em não comer carne nas segundas-feiras. Algumas empresas e prefeituras já aderiram à causa. Parece pouco, mas não é. Serve como um aprendizado e experimentação sobre o vegetarianismo e ainda contribui para ajudar as pessoas, os animais e o planeta.

3 Comments

  1. Ágatha Urzedo

    Que post legal! Parabéns, Oda. Leve, lúdico e muito informativo. Ainda não sou vegetariana, mas, felizmente, já diminui bastante o consumo de carnes. Quero comer cada vez menos este tipo de proteína…

  2. Hola

    Que tiempo has dedicado a tremendo a porte y hay cuantiosas informacion que no conocia que me has aclarado,
    esta maravilloso.. te queria devolver el tiempo que
    dedicaste, con unas infinitas gracias, por preparar a personas como yo jejeje.

    Saludos

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *